Passar para o conteúdo principal

O que Fazemos

Em 138 ac, os romanos - verdadeiros amantes da vinha e do vinho, estenderam o seu império até à Península Ibérica, trazendo consigo o conhecimento da produção deste néctar. Valpaços foi, então, palco de transformações que moldaram a viticultura e a enologia portuguesas.
Entre os vestígios desta passagem destacam-se os lagares escavados nas rochas graníticas, na margem do rio Rabaçal. Lagares nos quais se fazia o Passum: vinho doce e pouco alcoólico, que fazia as delícias de Roma!
O Passum era o único vinho que as mulheres do império bebiam, por ser mais doce e com “menos” álcool (NOTA: provavelmente o menor teor alcoólico na altura seria bastante diferente dos dias que correm)
Acredita-se que o nome “Valpaços” teve a sua origem no nome deste célebre vinho, que percorreu todo o império Romano.

Do Passum nasceu o Passos, e assim: Valle de Passos. Um vinho feito por mulheres, mãe e filha, em jeito de homenagem.

Saiba mais

As Vinhas e os Vinhos

Os Brancos

As castas brancas que os enólogos têm para trabalhar deram origem para já a dois tipos de vinho, o Colheita e o Reserva.

Os Tintos

Da mesma maneira nos tintos os enólogos optaram por elaborar, para já, dois tipos de vinho, o Colheita e o Reserva, estando no “forno” um Grande Reserva.

O Rosé

O Rosé não podia deixar de estar presente no nosso portfolio, já que as castas tintas de que dispomos se adaptam maravilhosamente a este tipo de vinho.